Procura-se um irmão gêmeo desesperadamente

As memórias da infância são fracas. Mas elas ainda incluem a imagem da chegada dos oficiais nazistas que, em 1944, o levaram à força para o campo de concentração de Auschwitz, na Polônia. Menachem tinha quatro anos de idade.

No mês passado, 68 anos depois, ele foi ao Facebook em busca de outra coisa da qual ele ainda se lembra: Jeno, seu irmão gêmeo.

Ambos viveram juntos no campo de concentração, mas foram separados dias antes da libertação dos cativos. Eles nunca mais se viram.

Menachem chamava-se Elias Gottesmann, àquele tempo. Mudou de nome ao ser adotado, e não revela o novo sobrenome.

Da mesma maneira, Jeno também pode ser conhecido hoje por outro nome. Pode morar em outro país. Pode não saber que tem um irmão gêmeo.

As informações conhecidas sobre Jeno são, na verdade, limitadas a um código: A7734, registro tatuado no antebraço do garoto durante os tempos de campo de concentração.

Com base nessa sequência de números e uma letra, a historiadora Ayana KimRon tem auxiliado Menachem na busca por seu irmão, criando a página do Facebook e pedindo qualquer informação sobre um homem que, em algum lugar do mundo, tenha aquele código tatuado no braço.

A parceria entre KimRon e Menachem começou em maio de 2012, quando ela leu um recado deixado em nome dele em um fórum on-line para consultas de genealogia.

“Um dia, vi um relato com quatro frases”, me diz a historiadora por telefone. “Eu nunca tinha ouvido falar em uma história assim.”

Ela concordou em encontrar-se com Menachem, que lhe disse que mais ninguém havia respondido ao apelo on-line. “Percebi que, se eu não o ajudasse, ninguém o ajudaria.”

Retrato de Menachem quando jovem. Crédito Arquivo Pessoal

A partir das memórias de Menachem, KimRon descobriu que ele havia nascido na Ucrânia, um dos pontos iniciais da pesquisa. “Ele não acreditou em mim, inicialmente”, diz. Em seguida, ela encontrou a família biológica de Menachem.

Enquanto eu escrevia este relato, a página de Facebook criada por KimRon tinha sido recomendada por mais de 23 mil usuários.

A historiadora aposta na possibilidade de que, ao rodar o mundo, a foto de Menachem quando criança e a história de seu irmão possam trazer de volta mais informações sobre o menino que tinha o código A7734 tatuado em um braço.

“A perseguição dividiu famílias”, diz KimRon. “Mas está no sangue judeu procurar por familiares.”

Comentários

  1. Eu espero que ele encontre seu irmão. eu também tenho irmão gêmeo e entendo o sentimento dele em encontra-lo. Ele só se sentirá em paz depois de acha-lo.

  2. Uma outra história de desencontros provocada pela indústria da morte nazista teve um desenlace menos infeliz.
    “Lúlek: a História do Menino Que Saiu do Campo de Concentração Para se Tornar o Grão-Rabino de Israel”, este é o título do livro do menino que conseguiu escapar dos campos da morte e ter ao seu lado ao menos um irmão até chegar em Israel.
    Infelizmente apesar de todas as evidências das fotos, filmes, depoimentos, dos campos de extermínio intactos, dos pertences, etc. ; todos documentados em vários Museus do Holocausto, ainda hoje reviosinistas e negacionistas tentam conpuscar a história e as almas dos assassinados.
    Quando o prezado Diogo tiver uma oportunidade, teria uma boa chance de conhecer até que ponto pode ir a psicopatia coletiva de uma nação, que através de seus lideres e, no afâ de aniquilar todo um povo, banalizou o mal até as últimas consequências.
    Quando houver tempo visite o “Yad Vashem”.

  3. Quantas historias ainda nao resolvidas
    e com muitos desencontros nao existem
    ainda?
    Justamente no Yad Vashem existem
    cadastros ate hoje para que os parentes
    possam se encontrar ou saber de seu paradeiro.

Comments are closed.