Mostra fotográfica em Beirute celebra as mulheres brasileiras que vivem no Líbano

Por Diogo Bercito

Foi inaugurada nesta quarta-feira (7), em Beirute, a mostra “Visão do Oriente: Mulheres Brasileiras no Líbano”. A exposição reúne fotografias do libanês Hassan Ammar, 41, casado com uma brasileira. Ele trabalha para a agência de notícias Associated Press. O mote da mostra é registrar as mulheres brasileiras que vivem no país — caso de Viviane Carvalho, quem idealizou o projeto. Carvalho é a criadora da revista digital Connection Beirut.

Há apoio da USEK (Université Saint-Esprit de Kaslik), por meio de seu Centro de Estudos de Cultura da América Latina. A mostra será exibida até 9 de dezembro no museu de arqueologia da instituição. O diretor do centro, Roberto Khatlab, é também brasileiro. Ele publicou, em 2015, um livro sobre a trajetória do imperador Dom Pedro 2 no Oriente Médio. Há planos de levar a exposição ao Rio, em uma parceria com o Instituto Cultural Brasil Líbano.

O projeto inclui imagens de 40 mulheres. Há cerca de 10 mil brasileiros hoje no Líbano. Os laços entre ambos os países são reforçados, ademais, pela migração libanesa ao Brasil no início do século 20 — origem de diversos políticos, como o presidente Michel Temer, Fernando Haddad, Paulo Maluf e Gabriel Chalita. Estima-se que 8% do Congresso brasileiro seja formado por descendentes.

Catharina Villela Costa Lincoln no Museu Sursock Asharafieh. Crédito Divulgação
Catharina Villela Costa Lincoln no Museu Sursock Asharafieh. Crédito Divulgação
Viviane Guedes Raouche na costa de Beirute. Crédito Divulgação
Viviane Guedes Raouche na costa de Beirute. Crédito Divulgação
Fernanda Yazbek Pereira posa diante de um cedro, símbolo do Líbano. Crédito Divulgação
Viviane Carvalho nas ruínas de Baalbek, norte do Líbano. Crédito Divulgação
Viviane Carvalho nas ruínas de Baalbek, norte do Líbano. Crédito Divulgação