Revista da USP busca pesquisas sobre o Oriente Médio e mundo muçulmano

Por Diogo Bercito

A “Malala”, revista do Grupo de Trabalho sobre Oriente Médio e Mundo Muçulmano da USP, procura artigos para a sua próxima edição. O número será dedicado às produções brasileiras realizadas nos últimos 15 anos. Ou seja — desde 2001, ano dos atentados terroristas que mudaram a relação do mundo acadêmico com o mundo árabe e muçulmano, incentivando o surgimento de novos centros de pesquisa.

A publicação aceita capítulos, artigos, ensaios ou resumos expandidos de pesquisas de mestrado, doutorado, pós-doutorado ou livre docência. O prazo para o envio é 15 de dezembro. Há mais informações no site da revista, incluindo as normas para o texto. É possível também consultar, no site, as edições anteriores.

malala
Capa da edição atual da revista “Malala”. Crédito Reprodução

Há, por exemplo, dois artigos bastante atuais: a violência contra as mulheres yazidies e as famílias do movimento Hizmet em São Paulo.

Segundo a página, alguns dos temas para o próximo número são:

O que é ser muçulmano no Brasil? Quem são, onde estão e como interpretam o islã a partir do Brasil? Com o aumento da presença de muçulmanos no Brasil a mídia brasileira também passa a se interessar pela temática. Como a mídia retrata estes muçulmanos? Há islamofobia no Brasil? Temas amplamente debatidos no Ocidente como o conflito Israel – Palestina também ganhou importância e muitas vezes criou polarização acadêmica. O marxismo, uma corrente intelectual com longa tradição no Brasil, muitas vezes tem aplicado seus métodos de pesquisa para pensar esses temas. Quais são os resultados obtidos?  E no campo pós-colonial e pós-estruturalista, como estas pesquisas são delineadas? No campo das letras e das artes, quais são os desafios para se aprender a língua árabe e para se traduzir textos do árabe, do persa ou do turco para o português? Há um interesse crescente pelas línguas e pelas culturas do Oriente Médio? O que explicaria esse interesse?