Em vídeo, trem de Jerusalém pede que israelenses sejam mais britânicos

Por Diogo Bercito

A companhia israelense de veículo leve sobre trilhos, espécie de metrô de superfície, divulgou um vídeo em que pede mais educação aos usuários. Se possível, que sejam como os britânicos, informa o jornal americano “Washington Post”. O vídeo por enquanto só tem legendas em hebraico, mas é bastante auto-explicativo.

Na campanha, um jovem chamado David (com pronúncia inglesa!) explica a seu amigo que na Europa as pessoas são mais educadas no transporte público. Esperam que os outros saiam, antes de entrar, e cedem o assento a quem precise. Seus argumentos são ironizados pelo amigo — por exemplo, quando entram empurrando outros passageiros, em vez de usar uma porta vazia.

Segundo o texto do “Washington Post”, israelenses adotam os estereótipos ditos sobre eles próprios, como aquele referente à sua educação. Diz-se que os israelenses são, afinal, como o figo da índia — espinhoso por fora, doce por dentro. Mas os modos dos israelenses no transporte público não parecem ser especialmente rudes, assim como sua violência no volante (“um motorista israelense não duraria uma hora do rush no Cairo”, escreve o repórter, e os acidentes estão em queda).

Diz o jornal americano:

O tram em Jerusalém é uma viagem reveladora — e vale os empurrões. A linha adentra nos setores culturalmente divididos do leste e oeste da cidade, através de bairros palestinos e de judeus ultra-ortodoxos, da cidade antiga ao território ocupado. Porque passa por bairros contestados, os trens foram atacados por jovens palestinos arremessando pedras. Motoristas palestinos atacaram e mataram passageiros esperando para entrar no trem. Nestes dias, as coisas estão calmas. Provavelmente é por isso que a companhia de transporte divulgou um vídeo sobre boas maneiras, em vez de um sobre embrulhos suspeitos.