Quatro perguntas sobre a reconciliação entre Turquia e Israel

Por Diogo Bercito

Turquia e Israel retomaram suas relações diplomáticas oficialmente nesta semana, pondo fim a um longo desacordo. O atentado que deixou 41 mortos em Istambul na terça-feira (28) ofuscou esse fato –mas, com o passar dos dias, e emaranhado às perguntas em torno do ataque terrorista, o assunto permanece atual.

A reaproximação entre os dois países foi apontada como um dos panos de fundo para o ataque ao aeroporto de Istambul, ainda que seja improvável que haja uma ligação direta entre ambos os eventos. Mais importante é a tendência que parece se desenhar na região, com a Turquia retomando laços diplomáticos não apenas com Israel, mas também com a Rússia.

Para colocar o assunto em discussão, este Orientalíssimo blog responde abaixo a quatro perguntas sobre a reconciliação entre Turquia e Israel.

1. Por que os dois países haviam rompido as relações diplomáticas?
Em 2010, uma ação da Marinha israelense causou a morte de dez ativistas turcos que tentavam navegar à faixa de Gaza. O acesso à região, hoje controlada pela facção radical Hamas, é controlado por Israel. As relações entre Turquia e Israel foram reduzidas, com a retirada de embaixadores e o congelamento da cooperação militar. Após o acordo desta semana, os dois países retomam as relações diplomáticas, e Israel deve pagar US$ 20 milhões em compensação aos feridos e familiares dos ativistas mortos, além de permitir que a Turquia realize projetos humanitários em Gaza.

2. Por que a reaproximação interessa à Turquia?
A Turquia está hoje isolada no Oriente Médio. Reaproximar-se de Israel pode significar ter um importante aliado na região. A reconciliação também significa que a Turquia pode voltar a assumir o papel de mediador entre israelenses e palestinos. Uma análise do site Al Monitor sugere que o acordo dê indícios do instinto de sobrevivência do presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

3. Por que interessa a Israel?
Israel está interessado na possibilidade de exportar seu gás natural por meio do território turco. Binyamin Netanyahu, premiê israelense, afirmou durante encontro com o secretário de Estado americano John Kerry em 27 de junho que o acordo terá “imensas implicações na economia israelense”.

Primeiro-ministro israelense em reunião com o secretário de Estado americano em Roma. Crédito Giuseppe Lami/Associated Press
Primeiro-ministro israelense em reunião com o secretário de Estado americano em Roma. Crédito Giuseppe Lami/Associated Press

4. Qual pode ser o impacto dessa reconciliação no Oriente Médio?
Interromper a disputa entre Turquia e Israel e mitigar o isolamento turco serão importantes ferramentas rumo a mais estabilidade no Oriente Médio. Mas o possível papel turco de mediador entre israelenses e palestinos pode significar também que, no caso de um novo confronto entre Israel e Hamas, as relações diplomáticas entre Israel e Turquia voltem a ser danificadas.