Artista egípcio transforma pessoas em brinquedos de plástico

Por Diogo Bercito
"Toys", exposição do artista egípcio Hany Rashed. Crédito Divulgação
“Toys”, exposição do artista egípcio Hany Rashed. Crédito Divulgação

A revista eletrônica “Jadaliyya”, dedicada aos estudos árabes, publicou nesta semana uma reportagem em vídeo sobre o artista egípcio Hany Rashed. Para quem se interessa por arte e Oriente Médio, a obra de Rashed pode ser uma boa oportunidade para aprofundar-se nesses temas —esse artista, nascido em 1975, tem levado suas pinturas a mostras em países como Inglaterra, Grécia, Espanha e Suécia. É um dos expoentes de sua geração, no Egito, onde atualmente se dedica a registrar os eventos políticos recentes, como as manifestações na praça Tahrir em 2011.

Nesse sentido, vale também a pena conferir a crítica publicada pelo site egípcio Mada Masr sobre a exposição de Rashed chamada “Toys” (brinquedos).

“Toys”, a nona exibição solo de Rashed na galeria Mashrabia, está construída em cima de temas com que o artista vem trabalhando há anos. Ela captura indivíduos e interações nas ruas, enquanto mantém sua sutil perspectiva pessoal. A técnica utilizada por Rashed na confecção de sua obra também é um desenrolar de seus experimentos anteriores. Um artista autodidata, Rashed é mais conhecido por pinturas e trabalhos de colagem com um ar de “pop art”.

No vídeo publicado pela revista “Jadaliyya”, em parceria com a Medrar TV, ele explica como trabalha com o plástico em suas obras. O vídeo está em árabe, mas é possível ativar as legendas em inglês clicando em um ícone no canto direito da imagem.