Árabes têm imagem positiva entre brasileiros, diz pesquisa

Por Diogo Bercito

Trabalhadores, respeitosos, educados, éticos e felizes. Assim são os árabes, segundo os brasileiros. Essa imagem foi apresentada na semana passada por uma pesquisa encomendada pela Embaixada do Omã no Brasil e realizada pela empresa H2R. Foram ouvidas 741 pessoas em diferentes faixas etárias, perfis sócio-econômicos e regiões.

Em tempos de preconceito global contra árabes e, mais especificamente, contra muçulmanos, o levantamento apresenta conclusões positivas, diante de crescentes exemplos de discriminação inclusive no Brasil –recentemente, por exemplo, uma repórter do site iG foi às ruas coberta por um véu islâmico e ouviu, de alguns, ofensas sussurradas em relação à vestimenta.

A pesquisa apresentada pelo Omã é mais otimista que a experiência da jornalista. Quase todos os brasileiros que participaram do estudo disseram que árabes são “trabalhadores” (97%). Entre as menores porcentagens apresentadas estão “extrovertidos” (57%), “modernos” (57%) e “emotivos” (54%). “A imagem do árabe para os brasileiros é bastante boa, bastante amigável”, afirmou Rubens Hannun, presidente da H2R e vice-presidente de comércio exterior na Câmara de Comércio Árabe Brasileira.

Sem a intenção de contestar os resultados da pesquisa, me chama atenção o fato de que os resultados mostram que “poucas pessoas citam itens negativos como extremismo, guerra e terrorismo”, o que de certa maneira não encaixa com outra das conclusões do levantamento: 65% dos entrevistados disseram que árabes enfrentam algum tipo de preconceito por razões de cultura, aparência física e religião (ainda que a maior parte dos árabes no Brasil seja de cristãos).

Também me parece que teria sido interessante observar a diferença na percepção de brasileiros em relação a grupos distintos de árabes, já que esse termo não permite enxergar as particularidades –por exemplo, a imagem de imigrantes libaneses cristãos que estão há décadas no Brasil não deve ser idêntica àquela em relação aos refugiados sírios muçulmanos recém-chegados ao país. Nesse sentido, a pesquisa encomendada pelo Omã diz apenas que 82% dos árabes são considerados brasileiros e que 79% deles estão bem integrados à sociedade.

Como parte considerável dos leitores deste Orientalíssimo blog tem origem árabe ou se interessa por esse tema, a julgar pela lista de seguidores da página oficial no Facebook, fico curioso para perguntar-lhes: é essa a imagem que vocês encontram diariamente no Brasil em relação aos árabes?