Quibe cru, esfiha gigante e sorvete com pistache: a culinária de Beirute

Por Diogo Bercito
Um sorvete de creme coberto de pistache. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Sorvete de creme coberto com pistache. Crédito Diogo Bercito/Folhapress

Desde que cheguei a Beirute, há pouco mais de duas semanas, tenho fotografado a comida local para dividir a experiência com vocês. Apesar de estarmos separados por milhares de quilômetros, a culinária libanesa parece ser servida em uma extensa mesa em que vocês se sentam em uma ponta, no Brasil, e eu me sento em outra, no Líbano — são ingredientes e temperos familiares, com sabor de casa.

Boa parte dos leitores deste Orientalíssimo blog deve conhecer estes pratos, seja do delivery do Habib’s ou de um dos restaurantes libaneses tradicionais de São Paulo. Provavelmente diversos de vocês, aliás, comem tabule e coalhada seca em casa, preparados com a receita das avós. Se for o caso, vocês fazem parte de uma longa aventura que inclui os impérios que passaram por esta região, como o fenício, o romano e o otomano. Vejam abaixo as imagens de alguns dos protagonistas dessa saborosa história.

Charutinhos de uva em Beirute. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Charutinho de uva em Beirute. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Knafe, um doce de queijo típico de Nablus (Cisjordânia) e do sul do Líbano. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Knafe, um doce de queijo típico da Cisjordânia e do sul do Líbano. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Ameixas verdes com sal e um copo de arak, bebida alcoólica de anis. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Ameixas verdes com sal e um copo de arak, bebida alcoólica de anis. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Man'ush, um tipo de esfiha gigante. Esta tinha recheio de linguiça apimentada (sujuk). Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Man’ush, um tipo de esfiha gigante. Esta tinha recheio de linguiça apimentada. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
O bom e velho tabule, em Beirute. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
O bom e velho tabule, em Beirute. Crédito Diogo Bercito/Folhapress

 

Homus, pasta de grão de bico. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Homus, pasta de grão de bico. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Colhada seca e um pedaço de pão sírio. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Colhada seca e um pedaço de pão sírio. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Meu prato favorito: quibe cru. Fotografado em um restaurante armênio no bairro de Badaro. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Meu prato favorito: quibe cru. Fotografado em um restaurante armênio no bairro de Badaro, Beirute. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Sujuk, uma linguiça de carne bovina cozinhada com romãs. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Sujuk, prato turco feito de carne bovina. Este foi cozinhado com xarope de romã. Crédito Diogo Bercito/Folhapress