Estado Islâmico abre hotel de luxo

Por Diogo Bercito
Hotel Internacional Ninawa, reinaugurado pelo Estado Islâmico. Crédito "Independent"
Hotel Internacional Ninawa, reinaugurado pelo Estado Islâmico. Crédito “Independent”

Bem-vindo ao Hotel Internacional Ninawa. Esperamos que você tenha uma ótima estadia. Se precisar de alguma coisa, disque 1 para falar com a recepção. O Estado Islâmico agradece a sua preferência.

A recepção descrita acima é, por ora, fictícia. Mas, segundo uma notícia publicada pelo jornal inglês “Independent“, pode em breve ser real: o Estado Islâmico anunciou a abertura de seu próprio hotel de luxo em Mossul, a segunda maior cidade iraquiana e, desde 2014, uma das bases dessa violenta organização terrorista.

O Hotel Internacional Ninawa, que já funcionava antes da tomada de Mossul, tem 262 habitações e será utilizado para a estadia de membros da milícia radical, em visita à cidade. As imagens divulgadas pelo Estado Islâmico, reproduzidas pelo “Independent”, mostram membros da organização trabalhando no empreendimento, limpando janelas e cuidando de um delicado jardim. Há dois restaurantes, dois salões de baile e uma academia entre as instalações.

Membro do Estado Islâmico na manutenção do hotel. Crédito Divulgação
Membro do Estado Islâmico na manutenção do hotel. Crédito Divulgação

Segundo o Estado Islâmico, o hotel foi aberto em 1º de maio com uma festança culminando em fogos de artifício. A entrada foi gratuita. Em parte, avalia o pesquisador Charlie Winter ao jornal britânico, por uma necessidade de propaganda: como se a organização terrorista quisesse deixar claro que, apesar dos bombardeios da coalizão internacional, ainda é capaz de manter sua base em Mossul.

Acho que a mensagem que os marqueteiros estão tentando passar é de que, se a coalizão estivesse realmente causando dano, então o Estado Islâmico não poderia organizar jantares de gala com fogos de artifício em um hotel de luxo.

Na avaliação de Elijah Magnier, correspondente-chefe da Al Rai Media, há de fato um esforço para retratar a vida em Mossul como normal. “Mas as pessoas não estão se hospedando [neste hotel], já que elas não têm dinheiro para isso.”