Orientalíssimo

por Diogo Bercito

 -

Blog sobre o Oriente Médio, é produzido por Diogo Bercito. O repórter foi correspondente da Folha em Jerusalém e é mestre em estudos árabes pela Universidad Autónoma de Madrid.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

As brumas poeirentas de Sanaa, Iêmen

Por Diogo Bercito
Sanaa coberta de poeira. Crédito Diogo Bercito/Folhapress

A primeira coisa é o cheiro de poeira. Sanaa, a capital do Iêmen, está coberta pela areia de uma tempestade soprada desde os desertos da Arábia Saudita. Depois é o gosto seco na língua, a pele áspera e a visão da bruma que se deitou sobre a cidade.

Eis o extremo sul da península arábica, o país mais miserável do mundo árabe. É o ninho da franquia mais perigosa da Al Qaeda, é um complicado retalho de tribos bem armadas –mas é também onde a revolução trazida pela Primavera Árabe está caminhando para uma solução por enquanto pacífica.

Estou no Iêmen durante esta semana, a trabalho, andando por entre os prédios tradicionais desta que é uma das cidades mais antigas do mundo, Sanaa. Há muito a ser dito sobre o país, nos próximos dias. Por enquanto, pensei em dividir com vocês algumas das primeiras impressões.

A segurança, por exemplo. Ainda é cedo para ter uma opinião. Mas, a despeito dos avisos desaconselhando a viagem emitidos por departamentos de Estado, e a despeito do número crescente de sequestros de ocidentais, tenho encontrado um país em tudo receptivo a estrangeiros. “Ahlan wa sahlan”, me dizem a torto e a direito –bem-vindo.

Quando descobrem que falo árabe, então, me transformo num príncipe, e então tenho de me adaptar ao dialeto iemenita, em que o som de “q” vira “g”, transformando o “al-balad al-qadim”, a cidade antiga, em “al-balad al-gadim”. Me adapto também à “zahma”, o caos no trânsito, e a música iemenita das buzinas insones.

Há alguma coisa de especial no Iêmen. Já estive ao redor da região –Líbano, Síria, Egito, Jordânia, Turquia, Israel e territórios palestinos. Já estive na África Oriental, também, e em recantos como Coreia do Sul e Austrália. Mas nunca caminhei nas ruas de um país como este, em que as pessoas parecem comprometidas a dar continuidade às tradições.

Homens andam com adagas penduradas na barriga, em um complicado e essencial código social. A depender do material, em especial prata e chifre de rinoceronte, essas armas valem milhares de dólares e colocam o dono em sua respectiva posição na hierarquia local.

Homens andam, também, mascando o qat, uma erva com efeito estimulante que é proibida ao redor do mundo mas, aqui, é tradição unânime. Uma tarde sem uma longa pausa para mascar a verde folha e conversar com os amigos não é uma opção nesse emaranhado social.

Esses detalhes são a superfície de toda uma cultura distinta que ainda estou aprendendo a reconhecer. Resultado, imagino, de uma história contínua de civilização, a começar pelo tempo em que o Iêmen respondia pelo nome de “Arabia Felix” –a Arábia Feliz, para os romanos que traziam daqui o valioso incenso que perfumava seus templos.

O incenso que saía do atual Omã e passava por aqui ergueu impérios. Não apenas aqui, mas também na Jordânia, onde os nabateus chegaram a rivalizar com Roma na região após enriquecer com o controle das caravanas de incenso que, por fim, chegavam ao porto de Gaza e, dali, eram levadas ao mundo romano.

Viajantes que passaram pelo Iêmen, incluindo os famosos Ibn Batuta e Marco Polo, escreviam sobre o cheiro de mirra. Os tempos, é claro, eram outros. O fim do Império Romano e a descoberta de outras rotas comerciais fizeram a região declinar. Os cheiros mudaram com a ocupação otomana, com a colonização inglesa, com o separatismo do sul, com a experiência comunista e, recentemente, com a revolução de 2011.

Hoje, insisto, o cheiro de que não me esqueço é o da poeira. Para amanhã, torço que o pó abaixe e me deixe ver o Sol.

Homem em região próxima à cidade antiga da Sanaa. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
O icônico Portão do Iêmen, no centro da cidade. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Jovens iemenitas entre a tempestade de areia. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Na cidade antiga, entre vendedores de pão. Crédito Diogo Bercito/Folhapress
Sanaa, cercada por montanhas. Crédito Diogo Bercito/Folhapress

Blogs da Folha