Orientalíssimo

por Diogo Bercito

 -

Blog sobre o Oriente Médio, é produzido por Diogo Bercito. O repórter foi correspondente da Folha em Jerusalém e é mestre em estudos árabes pela Universidad Autónoma de Madrid.

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Flotilha da retórica

Por Diogo Bercito

Antes de subir no avião que o levou à Jordânia, na sexta-feira, Barack Obama, presidente dos EUA, promoveu um telefonema entre Binyamin Netanyahu, premiê israelense, e Tayyip Erdogan, sua contraparte turca.

Ao telefone, Netanyahu pediu desculpas a Erdogan pelo incidente da flotilha da paz que, ao tentar romper o bloqueio israelense a Gaza, em 2010, foi alvo de uma ação militar –resultando na morte de nove ativistas turcos. Ele prometeu compensação financeira às famílias. As relações diplomáticas entre os dois países devem ser retomadas.

Mas essas ações do governo Netanyahu são um “mecanismo de relações públicas”, para o professor Moustafa Bayoumi, organizador da coletânea de ensaios “The Attack on the Gaza Freedom Flotilla” (o ataque à flotilha da liberdade de Gaza). “As desculpas de Netanyahu são claramente sobre geopolítica, e não sobre moralidade”, ele me disse recentemente, durante a entrevista que publico aqui exclusivamente.

“Na faixa de Gaza, o cerco continua. A restauração das relações entre Israel e Turquia não faz nada para mudar esse triste fato”, diz. O território de Gaza, hoje controlado pela facção palestina Hamas, é alvo de uma série de restrições impostas pelo governo israelense, como as barreiras para a entrada e saída de mercadorias.

Bayoumi afirma que o ataque israelense à flotilha, em 2010, foi um ponto de inflexão para o conflito com os palestinos, “marcando uma mudança no ponto de vista internacional do conflito”. “A boa-vontade dos ativistas internacionais foi recebida pela violência, e boa parte do mundo considerou isso excessivo, e as desculpas israelenses, inacreditáveis.”

Também há mudança a partir do momento em que, descrentes com a interferência sistema internacional, indivíduos se arriscam para o que acreditam ser a resolução justa para esse conflito. “Isso é muito importante, e assusta Israel, que agora impõe diversas restrições à visita de ativistas à Cisjordânia e a Gaza”, diz Bayoumi.

“A ideia de que a desobediência civil possa ser o tipo principal de oposição à ocupação assusta Israel pois expõe a violência do Estado.” A mesma visão pragmática pode ser creditada à liderança turca, para esse professor nascido na Suíça.

“Reatar relações diplomáticas com Israel enquanto o cerco a Gaza continua revela que a política externa turca pode falar a língua da moralidade, mas opera de acordo com seu próprio interesse.”

Blogs da Folha